Exercício estratégico em São Paulo I

São Paulo é uma miscelânia de sorobô. Uma mistura rica, pobre e quente. Ela é a farofa do Brazil Brasil.

A criatividade flui nas relações comerciais, que podem nos fazer rir ou ficar indignados por sermos brasileiros. Eis que no meu primeiro dia, fui pegar o ônibus na Marginal, com a parada lotada e com meu notebook 17″ mais HD seagate 20cm X 10cm e cabos. Dentro do ônibus é como revezamento, sai uma pessoa, dá-se um passo. Quando chega meu momento de passar na roleta dou R$4,00 para uma passagem de R$2,70 e escuto. – Não tem troco, espera aí… Olho pra trás pra voltar…

Quando aviso que a minha parada é a próxima, ela me dá o troco e deixa eu passar. Sendo que ninguém deu dinheiro, todos usam um cartão facilmente comprado em qualquer lotérica onde você coloca crédito.

Em São Paulo os que esperam são as pessoas de fora, os turistas, gringos que são assaltados pelo olhares dos manos, na melhor das hipóteses. Então, qualquer coisa que fores fazer, não espere! Tente se informar antes sobre o melhor método. Mas se fores pego de surpresa, chega entrando, saindo, descendo ou apertando, é preferível descer na parada errada com confiança do que descer desconfiado com a pessoa errada.

Advertisements

Parada Gay

Rolou a parada Gay, ontem, em São Paulo. Com direito a Barack Obama, Ana Maria Braga e Penélpe, estima-se que o evento tenha reunido 3,5 milhões de pessoas, 400 mil turistas e movimentado 190 milhões de reais. É o maior evento em reunião de pessoas e o segundo maior em volume de dinheiro.

parada2

O que me choca é que, com tanto potencial de consumo, poucas marcas se manifestaram no evento. Na verdade, fiz uma breve pesquisa e só encontrei ações promocionais do Santander distribuindo brindes e com um painel montado para fotos e promoções do mesmo banco com a Tam oferecendo desconto nos pacotes de viagens.

Um pouco mais a fundo (sem conotação pejorativa), descobri que essas ações fazem parte do Programa de Valorização da Diversidade do Grupo Santander Brasil que adotou a extensão do benefício de assistência médica e odontológica  e a possibilidade de composição de renda de pessoas do mesmo sexo.

O Santander é um exemplo muito bacana de quem soube trabalhar a marca com esse público potencial. Agora, será que ainda existe o preconceito e o medo de vincular-se aos homossexuais? Será que já não passamos dessa fase e hoje nos consolidamos em um mundo de comportamento aberto e democrático?

cachorrogay

Da minha parte, eu fazia chover pétalas de rosas! O gay por sí só está na moda e não existe orgulho homo ou hetero que  desconsidere os 38% de seus gastos em compras, entre outros números.